BLOGS: Blog do Andy

Blog UOL

Viva Vidas

11/06/2009

 

Outra questão que tenho recebido atraves de e-mails e comentários que vocês deixam aqui é sobre como lido com o futuro, se me preocupo com o que as pessoas vão pensar de mim e como vou fazer pra conseguir um emprego. Eu entendo de verdade essas questões, entendo porque são dúvidas comuns. Acho que há muito tempo atrás tambem pertenci a esse grupo de pessoas, que de certa forma estão presas num “sistema” que infelizmente é uma forma super limitada de ver a vida.

 

Um dia eu também achei que um bom emprego, estudar muito, ter título de previdência e alguem do lado pra chamar de “seu” eram sinonimos de felicidade. Bons tempos aquele! Sempre defendi a frase “ignorancia é felicidade!”. Porque sim, sinto falta daquele tempo que eu achava que a vida era só isso, que minha felicidade e futuro estariam garantidos se eu tivesse só isso. Tive o bom emprego, estudei nas melhores instituições, estudava de segunda a segunda, corria atrás do futuro, tive o alguem pra chamar de meu durante bons anos. E não vou mentir, durante um tempo eu era feliz assim. Mas tinha um bichinho safado dentro de mim que me cutucava, me deixava confuso, como se me obrigasse a abrir os olhos, a sair da bolha. Quem quer sair da bolha? Correr risco, dar a cara a tapa, enfrentar o mundo? Nunca é fácil.

 

Um dia acordei, saltei e arrisquei. E foi doloroso descobrir que eu perdi tantos anos vivendo num mundo pequeninho, descobrir que a vida é muito curta e perder tempo com convenções e regras só empaca a vida. Uma super amiga minha enfrentava esse dilema em Londres, toda vez que ela ia fazer uma nova tatuagem, a mãe dela sofria no Brasil, dizia “Minha filha que multi-nacional vai ter dar emprego quando você voltar!?” Nós riamos disso, achavamos fofo, porque essa minha amiga preferia a morte do que aceitar esse futuro que a mãe dela estava projetando.

 

O ponto que quero chegar é que a vida é curta, mas ao mesmo tempo são bilhões de possibilidades e caminhos pra cada vida sobre a terra. Viva vidas! Nascer e morrer a mesma pessoa, é muito chato! Tente, arrisque, se jogue mesmo! Se não está feliz, mude! Medo do que as pessoas vão pensar? Pense nas pessoas que estavam nesse voô que caiu no começo da semana, pense no tempo que muitas delas gastaram se preocupando, ou planejando cada segundo do futuro da vida delas, planejando a vida até os oitenta anos. Quem te garante que você vai viver até os oitenta anos? Eu perdi uma mãe com quarenta e seis anos, cheia de sonhos e planos, que infelizmente ela não realizou por medo que tinha. Medo de arriscar. A vida é frágil demais, alguns morrem de acidente de avião, outros morrem de velhice, outros morrem atravessando a rua. O importante é na hora que chegar a sua hora, você saber que viveu tudo e fez tudo que pode, sempre vão sobrar sonhos não realizados, mas lute sem medo pra fazer o maior número possivel se tornarem concretos. VIVA VIDAS!

 

Quase no finalzinho do filme “O Curioso Caso de Benjamin Button”, o Benjamin, interpretado por Brad Pitt deixa uma carta pra sua filha com o seguinte texto:

 

Para o que vale: nunca é tarde, ou, no meu caso, cedo, para ser quem quer que queira ser. Não temos nenhum tempo limite, pare quando quiser. Mude ou permaneça na mesma. Não existem regras. Nós podemos fazer o melhor ou o pior disto. Eu espero que faça o melhor. Eu desejo que vejas coisas que te surpreendam. Que sinta coisas que nunca sentiu antes. Desejo que encontre pessoas com diferentes pontos de vista. Que desafie a si mesma. Eu espero que viva a Vida que sempre quis viver. E se descobrir que não, eu desejo que tenha força para recomeçar tudo outra vez".

 

 

Rogério

 

Não tenho como ir na Parada esse ano, só vou para o Brasil no final do ano mesmo. Apesar de achar de que não existe mais luta por causa nenhuma nesse evento, apoio a Parada por ser uma grande festa sim. Acho que todos deveriam ir, curtir, aproveitar as baladinhas que rolam no fim de semana, geralmente bem interessantes pra encontrar gente diferente, não aqueles de sempre! Aproveitem por mim!

 


Escrito por Andy O´Neill às 18h46 Comentários Envie

Burn London, BURN!

10/06/2009

 

Quando voltei pra Londres em fevereiro, cheguei bem no inverno bombando. Cheguei num sábado, na segunda-feria Londres parou. Dois dias nevando forte e sem parar, a cidade não estava pronta pra tanta neve. Resultado, ficamos sem onibus, várias linhas do metrô ficaram sem funcionar. Londres sem o metrô (Underground ou Tube) não existe. Quem mora nas três primeiras zonas dificilamente tem carro, pobre, rico, sentam lado a lado. Londres acontece debaixo da terra. Nexta segunda-feira foi anunciado que os trabalhadores das linhas do Underground iam entrar em greve por 48 horas. Muitos acharam que de fato não aconteceria. Sim, está acontecendo. Não há metrô na cidade, acho que apenas duas linhas estão funcionando parcialmente.

 

Novamente Londres parou, os pontos de onibus estão lotados, as pessoas nervosas, está chovendo, estamos vivendo no apice da recessão e um grupo de pessoas simplesmente resolve parar de trabalhar pra exigir aumento. Eu acho uma piada de mal gosto, eles deveriam ficar felizes de estarem empregados na atual situação do pais. Toda semana dezenas de brasileiros voltam pra casa, sem emprego, sem ter como renovar o visto, Londres não faz mais sentido. Tempo é dinheiro. Nessas últimas semanas, além de estarmos gravando as cenas do proximo lançamento do estúdio FreshSX, estamos terminando o novo website, é um trabalho cansativo mas que no final vai valer a pena. Está ficando incrivel! Mas entre hoje e amanhã vamos ter que trabalhar de casa. Lembrando o “Terça Insana”, “Eu prefiro ter um filho viado, do que um filho que trabalha no metrô de Londres!”. :P

 


Escrito por Andy O´Neill às 07h36 Comentários Envie

DES(PROTEGIDO)

07/06/2009

 

Recebi alguns e-mails me pedindo pra falar sobre a minha opinião sobre o assunto Bareback (que é uma giria para a prática do sexo anal sem proteção). Eu sou super extremista as vezes, alguns assuntos prefiro nao tocar, porque quase sempre acabo ofendendo alguem. Religião e Politica são assuntos que não gosto de discutir nem com melhor amigo. E falar sobre bareback poderia ser incluido nesse grupo. Mas acho que por estar envolvido com a industria do sexo, tenho mais que a obrigação de compartilhar meus pensamentos sobre isso. Ainda mais porque trabalhei para estúdios que ja se envolveram com produções bareback no passado e sempre ouço histórias de elencos inteiros de filmes onde os modelos foram contaminados com HIV, porque um dos meninos estava contaminado. Não tem como nao ser extremista.

 

Porque extremista? Porque eu não aprovo, não apoio, praticantes do movimento bareback. Normalmente a gritaria começa quando deixo claro que não apoio bareback NUNCA, nem em relacionamentos fixos.

Porque não? Generalizar é uma ignorancia certo? Eu sei que de certa forma estou generalizando quando digo, homem não e fiel. Não é da nossa natureza, não adianta. Obvio que existem exceções, mas por minha experiência são poucos. O segredo é conseguir entender que amor é amor e sexo é sexo. E por isso mesmo que não acho bacana abandonar a camisinha nunca. Sou super a favor de relacionamentos abertos, que eu prefiro chamar de relacionamentos honestos. Tambem sou a favor de regras. Senão vira palhaçada. O ponto que quero chegar é que mesmo em relacionamentos, quem me garante que o meu parceiro vai ser sempre fiel, quem me garante que ele vai se preocupar em usar camisinha com a outra pessoa? Repito, não estou dizendo que não acredito no amor, no respeito, no companheirismo entre duas pessoas. Estou dizendo que as vezes esquecemos que somos humanos. E ser humano erra. O que não quero é me arriscar a pagar pelo erros dos outros.

 

Porque as mulheres casadas hoje estão entre os maiores grupos de risco?

 

Sexo sem camisinha não vale a pena nunca!

S I M P L E S  A S S I M !

 

 

 


Escrito por Andy O´Neill às 17h05 Comentários Envie


Busca
Infomix
Receba o boletim de notícias do Mix no seu e-mail.
2006 - MIX BRASIL - © Todos os direitos reservados